Para criar o mapeamento iremos criar um storage account e o share para que possamos mapear.

O mapeamento usa SMB 3.0 que já tem uma estrutura de taxa de transferência rápida.

Veja informações técnica em https://en.wikipedia.org/wiki/Server_Message_Block#SMB_3.0

storage-account

Para determinado tipo de serviço usado tanto dentro no Linux como no Windows vale a pena caso você não for utilizar discos para gravação com velocidade.

Para storage cool pode ser usado direto para backup em caso de uso se não for utilizar apps especificos ou proprietários.

Exemplo você pode utilizar o rsync para sincronizar dados para o diretório mapeado.

Armazenamento estático, imagens que não tem um grande número de visualização, ambientes WEB estáticos sem dinâmica dentre outros.

Na criação siga o procedimento, deixe em LRS . Em modo HOT para escrita e leitura em tempo real.

Mantive em uma conta existente para facilitar o laboratório.

map

 

Storage, criado vamos mostrar.

Depois do storage criado teremos que criar a pasta onde os dados do mapeamento será salvo;

Clique em Files e crie o nome da pasta.

Criaremos a pasta Linux e a pasta Windows para mapear em cada sistema operacional.


Pastas criadas e quotas criadas.

Quer criar as pastas de outra maneira você pode baixar um app que server para Windows linux e Mac em http://storageexplorer.com/

Baixar o app e manusear os storages com criação de containers e maipulação de vhds.

Veja nesta imagem acima que você pode visualizar, manusear os Storages e manipular os vhds.

Veja a visualização das pastas Linux e Windows. Através do Azure Explorer para visualizar em cada sistema operacional.

Tanto no Linux como no Windows quando você acessar a pasta pelo portal já tem um passo a passo para criar o mapeamento.

Exemplo abaixo

> net use [drive letter] \\storagearmazenamento.file.core.windows.net\linux /u:storagearmazenamento [storage account access key]

Para pegar a chave vá nas configurações de connect do storage Key 1 para se autenticar.

Veja acima que tem todos procedimentos necessários.

Neste link informa e aborda mais informações necessárias de mapeamento e persistência de credenciais para que você possa mapear em ambientes.

https://docs.microsoft.com/pt-br/azure/storage/storage-dotnet-how-to-use-files

Outra forma de mapear é pelo explorer executando o endereço.

Autentique com a credenciais e a chave informada.

Vou criar um arquivo e mostrar pelo Azure Explorer.

Arquivo Word criado.

Veja que pelo Azure Explorer consigo visualizar o arquivo Word criado.

Cada Container tem um espaço máximo de 5TB.

 

Veja o mapeamento acima mostrando 5tb de espaço.

Iremos acessar o Linux e fazer os mesmos mapeamentos.

Estou conectado em uma Ubuntu 16.10 para realizar o mapeamento.

Iremos instalar o Samba Client e CIFS

Aceite a instalação do pacote dpkg. Aguarde a instalação do pacote;

No diretório / que é a raiz principal do Linux criei a pasta lab para mapear.

Faça o mapeamento como na imagem acima.

EXEMPLO ABAIXO

https://docs.microsoft.com/pt-br/azure/storage/storage-how-to-use-files-linux

Após o mapeamento no Linux na pasta lab criei uma pasta teste.

Para evidenciar visualizei a pasta no Azure Explorer.

Veja também no portal que a pasta criada através do Linux conseguimos visualizar.

Para manter a montagem persistente você precisa salvar no FSTAB. No mesmo link que passei acima tem um exemplo.

//myaccountname.file.core.windows.net/mysharename /mymountpoint cifs vers=3.0,username=myaccountname,password=StorageAccountKeyEndingIn==,dir_mode=0777,file_mode=0777

Grave no arquivo fstab que quando reiniciar o Linux ele continuará persistente.

Com este procedimento você estará apto a realizar mapeamento no Linux e no Windows.