Tipos de redes no Hyper-V (pt-BR)

Tipos de redes no Hyper-V (pt-BR)


Introdução

Quando estamos configurando a parte de redes no Hyper-V, nos deparamos com alguns tipos de redes que o Hyper-V disponibiliza para trabalharmos, vamos dar um breve overview sobre cada rede.

Tela inicial do gerenciador de redes virtuais


Vídeo Prático



Um pouco sobre as redes virtuais e suas conexões


As redes virtuais que você cria são vistas como "barramentos". Por exemplo, se você criar a rede LABs CooperaTI no ambiente virtual seria equivalente a instalar um switch físico e colocar uma etiqueta nele escrita "LABs CooperaTI".

Você só tem o switch, agora faltaria ligar os cabos das máquinas ao swtich, correto?

Com a rede virtual é a mesma coisa, você criou a rede, um switch virtual (é assim mesmo que se chama), agora precisa conectar as máquinas virtuais a essa rede.
Com isso, várias máquinas virtuais podem se conectar a mesma rede, sendo como várias máquinas físicas conectadas ao switch.

Segue uma imagem para ilustrar o conceito:

Nesse exemplo acima, temos quatro máquinas virtuais, três switch virtuais e duas placas de redes físicas.
As máquinas "Domain Controller" e "Lync Standard" tem uma placa de rede cada e estão conectadas no switch virtual "LABs CooperaTI". Já a máquinas virtual "Forefront TMG" tem duas placas de rede virtuais, uma conectada ao "LABs CooperaTI" e outra conectada ao switch "Rede Externa" ao qual a minha placa de rede física está associada.

Também há uma rede física que não está atribuída a nenhuma conexão virtual. Essa é a interface que uso para gerenciamento do HOST.

A placa de rede física pode estar conectada à um switch virtual e o HOST (servidor de Hyper-V) não?
Sim, quando trabalhamos com virtualização, as placas de redes físicas podem ser atribuídas diretamente às máquinas virtuais. O seu servidor de virtualização não precisa ter acesso ou IP nessa interface.

Como é feito isso?
Na figura abaixo temos a opção de compartilhar ou não a conexão com o HOST:


Se você desmarcar a opção em realce, o HOST não vai ter mais acesso a placa de rede "Intel(R) 825... #2" e a "Rede Externa 2" será um switch virtual disponível apenas para as máquinas virtuais que você plugar nele. 

Na prática, o HOST nem precisa ter rede alguma para ele. Como você precisa de gerenciamento remoto, você tem que usar uma rede para isso, mas essa rede não precisa estar na mesma subnet (ou nem no mesmo barramento físico) que a sua rede de produção onde as máquinas virtuais estão. O HOST deve ser dedicado a função de virtualização, isolá-lo de sua rede vai garantir que ele não sofra interferências externas.

Quanto a performance

Um erro muito comum é achar que a rede virtual é "mágica" e pode suportar múltiplas máquinas virtuais. As máquinas virtuais que tem acesso pesado necessitam de uma placa reservada.

Verifiquem a figura abaixo:

Um monte de máquina virtuais conectadas a um switch virtual só, que por sua vez está em gargalo numa única interface de rede física. Essa configuração pode trazer sérios problemas de performance de rede para alguns casos.

É claro que na virtualização temos como "puxar" mais do hardware e algumas máquinas que quase não utilizam a rede poderiam ser colocadas juntas. Mas para serviços como email e servidor de arquivos você precisa disponibilizar interfaces de rede próprias.

Então, em cenários de virtualização de alto desempenho, é comum encontrarmos servidores com 16 ou mais placas de rede. 
Se você trabalha com virtualização, sempre contemple algumas placas QUAD no seu projeto.


Exemplo de uma placa QUAD

Redes Virtuais Externas

Esse tipo de Rede é destinada aquela implementação aonde haverá comunicação das máquinas virtuais com a sua rede física, esse cenário é destinado a projetos cuja a característica tenha como, a comunicação com toda a sua rede.

Exemplos: Um Servidor Virtual Exchanger, Isa Server, SharePoint etc.

Obs: lembrando que para tal configuração é necessário selecionar um adaptador de rede Físico.

Esse tipo de configuração é atribuído para cenários aonde você possa trocar informações de:

  • Máquina virtual para Máquina virtual.
  • Máquina virtual para Host (Física).
  • Máquina virtual para outros servidores físicos.

 

Redes Virtuais Internas

Este tipo de configuração é mais destinado a um ambiente de teste, basicamente a conexão realizada será feita entre a máquina Host e as guets, ou seja sua máquina física e suas máquinas Virtuais.

Esse tipo de configuração é atribuído para cenários aonde você possa trocar informações de:

  • Máquina virtual para Máquina virtual.
  • Máquina virtual para Host (Física).

 

Redes Virtuais Privadas

Esse tipo de configuração é implementado em um ambiente aonde você queira privar sua máquina virtual de qualquer tráfego com sua máquina host ( Física ).

Esse tipo de configuração é atribuído para cenários aonde você possa trocar informações de:

  • Máquina virtual para Máquina virtual.

 

Para saber mais

OBS: Diariamente o pessoal me pergunta porque minha placa de rede não funciona na VM, são duas coisas bem simples de ser analisada, primeiro- busque o driver mais atual da sua placa de rede, segundo verifique se o Integration Services do Hyper-V está instalado na VM.

Esse é um detalhe super importante para que a placa de rede funcione nas VMs, você terá que instalar o Integration Services do Hyper-V que pode ser encontrado no menu Ação e depois em "Inserir Disco de instalação dos serviços de Integração". Após a instalação do Integration Services basta reiniciar a VM para que a placa de rede funcione. (ambiente esse aonde será configurado utilizando a placa de rede física).

Para maiores informações acessar o seguinte link:

http://consultormcse.wordpress.com/2010/07/21/tipos-de-redes-no-hyper-v/

http://www.cooperati.com.br/wordpress/category/virtualizacao/

Esse artigo foi escrito por:

Diogo Molina de Sá - MCSE,MCITP

Editado em 22/10/2011 por:

Rafael Bernardes - IT Hero em Virtualização