Aplica-se a:


Hyper-v, Windows Server 2008 R2 com Hyper-v

 

Qualquer discussão sobre recuperação de desastres, especialmente no contexto do Microsoft Hyper-v, notamos que existem poucas ferramentas de recuperação de desastre no mercado. Em termos de plataformas virtuais, o VMware tem história mais longa e a maior capacidade no domínio de recuperação de desastres automatizado. Mas muitas outras plataformas virtuais deixam a recuperação de desastre para terceiros.

Apesar do pouco tempo de vida do hypervisor da Microsoft existem opções de recuperação de desastre sem recorrer a terceiros. Este artigo fornece algumas dicas mostrando que o Hyper-v é uma excelente plataforma para continuidade dos negócios, e que os componentes nativos do Hyper-v ajudam a implementar uma estratégia de recuperação de desastres.

 

Conceitos básicos de recuperação de desastre em ambientes virtuais

No contexto de virtualização, recuperação de desastres é essencialmente composto de três etapas:

  1. Backups regulares a nível de servidores virtuais
  2. Realocação desses backups em locais alternativos
  3. Ligar essas máquinas virtuais após um desastre

Um plano de recuperação de desastre monitora de perto essa programação e gestão dessas etapas, bem como a manutenção da plataforma virtual em um site alternativo. Se a sua organização considerou a virtualização devido ao seu potencial de recuperação de desastre, ou se você quiser adicionar capacidades de recuperação de desastre para seu ambiente existente, você não está sozinho.

 

Planejando Recuperação de desastres no Hyper-v

O Microsoft Hyper-v nativamente inclui recursos de backup sólidos que o tornam uma plataforma capaz de realizar recuperação de desastres. Dependendo do orçamento e da infraestrutura em local alternativo, você tem opções para implementar um plano de DR. Com isso em mente, vamos delinear o que você precisa em lugar de acionar recuperação de desastres para Hyper-v. Dependendo das suas necessidades, você pode achar que há menos exigências do que você pensa:

Um site backup. Você pode ter um local para o qual você pode desviar o processamento após um desastre. Seu site backup pode ser continuamente ligado ao seu centro de dados através de uma rede ou totalmente isolado até ser necessário. Lembrando que a opção de ligação contínua oferece a possibilidade de voltar as operações mais rapidamente.

Servidores alternativos em uma plataforma virtual. O site de recuperação de desastre deve possuir servidores e softwares da plataforma virtuais necessários para hospedar as máquinas virtuais após ocorrer um desastre. Uma vez que você construir seu plano de recuperação de desastre, pode ser tanto de alto nível (a um custo mais elevado) ou contratados para entrega rápida (e com um custo mais baixo).

Software de backup virtual. Este é o ponto onde o Hyper-v brilha. Seu recurso de Volume Shadow Copy (VSS) garante que as integrações de backup de máquinas virtuais possam ser restauradas com sucesso. O VSS assegura uma rápida restauração do sistema operacional da máquina virtual e aplicações como SQL e Exchange que residem em uma VM.

Software de Replicação. Realizar a segunda etapa no processo de recuperação de desastre significa que os backups do servidor virtual deve de alguma forma fazer o seu caminho para o seu site alternativo. Por um baixo custo, pode ser feito através de transferência manual usando fitas (ou grandes discos rígidos). Mas por um preço mais elevado, você pode aproveitar a replicação automática de backups da rede para um retorno mais rápido das operações.

 

Construção de um cluster de failover com Hyper-v

A maioria dos planos de recuperação de desastres envolvem uma série de atividades manuais ou scripts para transferir o backup de VMs e, depois, usar o site de backup. Mas as tecnologias nativas do Hiper-v pode automatizar ainda mais o processo. A dependência do Hyper-v no Windows Clustering Failover Server (WSFC) para balanceamento de carga e outro failover de suas máquinas virtuais é também um mecanismo para recuperação de desastres – se você tem as necessidades, orçamento e habilidade para implementa-lo,

No Windows Server 2008, WSFC pode criar um cluster estendido, ou um Geocluster. Estes custers estendem as fronteiras nos clusters tradicionais, ou seja, o comprimento do cabo entre os nós do cluster e seu armazenamento compartilhado para qualquer lugar em uma rede. Geoclustering na prática, significa que nós do cluster podem ser localizados em qualquer lugar em uma rede, enquanto o armazenamento compartilhado do cluster é replicado entreo os locais. A divisão dos nós de um cluster entre os sites significa que uma falha enorme no seu site principal solicitará uma reinicialização automática de VMs no seu site secundário.

Realização do componente de replicação deste tipo de cluster não é uma tarefa simples. Mas a Microsoft não reconhece alguns fornecedores de terceiros que tenham criado um software que funcione a partir de softwares Double-take, NeverFail e Tecnologia SteelEye. Esteja ciente de que, enquanto este tipo de agrupamento fornece um retorno quase imediato às operações após um desastre, também é complexo e requer habilidade especial em termos de implementação e gestão. Para mais detalhes sobre os passos na criação de um GeoCluster, confira SerachWindowsServer.com

Assim, enquanto a implementação de produtos que permitem uma fácil instalação de recuperação de desastres para o Hyper-v ainda são raros, existem soluções baratas e até mesmo meios nativos. Hoje o Hyper-v está mais maduro na sua versão 2.0, e a 3.0 saindo do forno em breve, com muito mais novidades que auxiliaram na continuidade do negócio de sua empresa.