Nota: informações do Hyper-V ainda antes de seu lançamento, muita coisa ainda pode ser alterada até a data de finalização do produto

 

Já em sua Terceira geração, o Hyper-V cresceu muito com relação a outros hypervisors, estabelecendo uma competitiva solução de virtualização, a nível corporativo. A versão 3 apresenta vários novos recursos que abordam o armazenamento, endereçamento de rede e desempenho, alguns novos recursos são novos para todos, outros são baseados em conceitos já utilizados por outras plataformas.

Hoje o Hyper-V tem uma crescente lista de fãs entre administradores do Windows, os dados apresentados nesse artigo mostra o quão longe a Microsoft chegou ao longo do tempo, comparado ao VMware.

Aqui está uma breve comparação

Recurso

Vmware vSphere 5

Microsoft Hyper-V no Windows Server 8

Hardware máquina física

160 CPUs lógicas, 2TB RAM

160 CPUs lógicas, 2TB RAM

Hardware Virtual Machine

32 CPUs virtuais, 1TB de RAM

32 CPUs virtuais, 512GB de RAM

Máquinas vituais por Cluster

3000

4000

Máquinas físicas por Cluster

32

63

 

Na tabela acima, vemos que a Microsoft aumentou definitivamente a capacidade para lidar com cargas pesadas das VMs. Permitindo que administradores criarem VMs maiores. A Microsoft alega que o Hyper-V cluster pode ser, praticamente, o dobro do tamanho dos clusters vSphere.

O que é interessante de se notar sobre ambas as soluções é a capacidade de lidar com os chamados “monsters VMs” e parece estar bem dentro de ambas as suas capacidades. A idéia de termos VMs tão grandes quanto as máquinas físicas não está longe. Sim, a Vmware parece ter a vantagem de ir mais além, com a alocação de memória de 1TB para seus VMs, mas lembremos um fato, nada ainda com relação ao Hyper-V 3.0 é definitivo, pode ser que até o dia do seu lançamento a Microsoft quebre essa barreira, pois o produto ainda está em fase pré-beta, sem data de lançamento definido ainda, ou seja, muita coisa ainda pode mudar, e para melhor.

Sempre visto como um passo atrás do vSphere, o Hyper-V deu um grande passo rumo à paridade, e quem sabe até a superação na comparação de recursos. Dando aos profissionais de TIuma ampla seleção de soluções virtuais, fornecendo mais opções para o mercado de virtualização.

O único recurso que destaco nesse artigo é o Shared-Nothing Live Migration, que permitirá que máquinas virtuais sejam migradas entre dois ou mais servidores físicos stand-alone sem a necessidade de haver qualquer tipo de cluster ou storage compartilhado entre eles. Toda a comunicação se dará por meio da rede Gigabit Ethernet. Essa feature trabalha movendo primeiro os arquivos de disco da máquina virtual, incluindo snapshots e arquivos de configuração. Após terminada a cópia, o estado da VM é repassada para o novo hospedeiro. Ao final do processo o estado da VM é deletada do servidor de origem e passa a rodar integralmente no novo host.

Este tipo de funcionalidade será muito bem explorada por pequenas e médias empresas, o chamado mercado SMB. Pois dessa forma o software da Microsoft possibilitará que uma pequena loja ou empresa faça suas manutenções programadas sem a necessidade de investir altos valores em áreas de armazenamento e sem queda de produtividade.

A VMware possui algo semelhante, mas não igual, o VSA (VMware Storage Appliance), que simula um storage compartilhado e assim consegue oferecer o live-migration (vmotion no vSphere) sem a necessidade de um storage compartilhado real, mas esse é um recurso com licenciamento próprio.

E para finalizar a grande mensagem da Microsoft com relação ao seu produto de virtualização, é de graça, ele é um recurso que acompanha seu Sistema Operacional de Servidor. E ainda ajuda a empresa a regularizar o licenciamento uma vez que oferece a capacidade de um host licenciar até 4 guests na sua versão Enterprise. Abaixo só mais uma tabela comparativa entre as duas plataformas.

 

Produto

Microsoft

VMware

Virtualização

Free

vSphere 5 Standard Plus $ 7.960,00

Monitoramento

System Center Management Suite $5.240

vCenter Operations (25 VM pack) $7.564,00