No Exchange 2013 ou 2016, basicamente se formos seguir a PA (Prefered  Architecture), nós teremos apenas uma interface de rede na máquina, porém e no caso em que possuímos a necessidade de uma rede de backup apartada ? Nesse caso somos obrigados a fugir da PA recomendada pela Microsoft e instalar uma nova interface de rede nos servidores pertencentes a DAG, seguindo alguns requisitos:

Em todas as interfaces de rede usadas para o backup, desabilitar o “Register this connection address in DNS”;

Configure sempre o binding order de cada servidor para que a interface de rede principal tenha preferência sobre a interface de rede de backup:



Em todos os servidores pertencentes ao DAG, configure o DNS lookup apenas para utilizar a interface de rede principal:



Após realizados os passos mencionados, nos resta iniciar a configuração de rede no DAG. Por padrão o DAG possui um parâmetro habilitado de configuração automática, o que nos impossibilita de realizar qualquer mudança. Após a alterar para modo manual, podemos então realizar a criação de uma rede
 
Habilitar o modo manual de configuração de rede:

Set-DatabaseAvailabilityGroup "DAGNAME" -ManualDagNetworkConfiguration $true
 
Verifique se já existe um Network Group para a subnet de backup com o comando:

Get-DatabaseAvailabilityGroupNetwork
 
Após verificar que existe, desabilite o uso de MAPI e Replicação com o seguinte comando:

Set-DatabaseAvailabilityGroupNetwork -Identity “NOMEDAG\DAGNetwork02” -ReplicationEnabled:$False MapiAccessEnabled:$False -IgnoreNetwork:$True

Nota: Nos casos em que o servidor utilize também uma rede de iSCSI, é recomendado que se faça o mesmo processo feito para a rede de backup, uma exclusão total de seu uso pelo Exchange Server com os atributos: -ReplicationEnabled:$False MapiAccessEnabled:$False -IgnoreNetwork:$True


Dessa forma nós temos todas as configurações necessária para o bom funcionamento do backup/DAG. Lembrem-vos de alguns pontos de atenção:


Não se adiciona IP de backup no DAG. A ferramenta de backup deve ser capaz – digo a nível de roteamento – de contatar o IP do DAG para realizar a verificação de onde estão os Databases para realizar o backup. Após essa verificação, a ferramenta de backup irá iniciar o backup contatando o IP de backup diretamente do host. 


Como os IPs de backup atribuídos aos nodes do DAG não possuem registro no DNS, a melhor pratica no caso é atribuir os IPs no HOSTS file do servidor de backup, a menos que exista um DNS Server especìfico apenas para a rede de backup.


Não são todos os softwares de backup que são compatíveis com a nova feature IP Less – a não utilização de IP no DAG – portanto é necessário verificar diretamente com o desenvolvedor do produto.